Dez livros para presentear (e causar) no natal em família 
Dez livros para presentear (e causar) no natal em família 

Dez livros para presentear (e causar) no natal em família 

Chegou aquele momento do ano em que precisamos distribuir presentes: confraternização da firma, amigo secreto, natal em família… semear livros é sempre uma boa pedida e para ajudar nessa missão, selecionamos dez títulos – de teoria política à poesia – que podem causar (um belíssimo impacto no coração dos que acreditam em outro mundo possível) no Natal em família. 

Veja a lista: 

1 – Como nasce e morre o fascismo – Clara Zetkin 

Se dissessem que a Clara Zetkin escreveu esse texto fundamental e atemporal para destrinchar a chegada de Bolsonaro à presidência do Brasil, seria totalmente possível acreditar. Mas a análise política certeira, e as respostas para o momento de crise, foram publicadas pela primeira vez em 1923, na Alemanha. De leitura fluída e direta, este livro ajuda a apontar caminhos em meio às águas turvas que navegamos. (Editora Autonomia Literária, 128 páginas, R$30) 

2 – Árvore de Diana – Alejandra Pizarnik 

A poesia de Pizarnik chega como quem não quer nada e quando a gente vê, foi tomada pela potência desta poeta argentina. Publicado em 1962 na Europa e na Argentina, este livro só chegou ao Brasil em 2018. O tempo e a distância não afetaram a obra da autora que traz, em versos curtos e cortantes, diálogos com Octavio Paz, Cortazar, e a influência do surrealismo francês. Parece inofensivo, mas vai surpreender quem receber um embrulho com esta pequena jóia da literatura latino-americana lindamente reeditada pela Relicário. (Editora Relicário, 104 páginas, R$ 44,90) 

3 – Autópsia do medo – Percival Souza 

O delegado Sergio Paranhos Fleury foi um dos mais sanguinários e temidos agentes da ditadura militar brasileira. Neste livro, resultado de um trabalho de fôlego de mais de dez anos de pesquisa e entrevistas com vítimas, o jornalista Percival de Souza traz um estudo profundo sobre a vida do monstruoso Fleury. Conhecer e jamais esquecer o horror da ditadura militar é o primeiro passo para impedir uma trágica repetição da história. (Editora Globo, 650 páginas, de R$65 a R$400). 

4 – A república das milícias: dos esquadrões da morte à era Bolsonaro – Bruno Paes Manso

Bruno Paes Manso é uma das vozes mais ativas e corajosas contra as milícias do Brasil. “Dos esquadrões da morte formados nos anos 1960 ao domínio do tráfico nos anos 1980 e 1990, dos porões da ditadura militar às máfias de caça-níquel, da ascensão do modelo de negócios miliciano ao assassinato de Marielle Franco, este livro joga luz sobre uma face sombria da experiência nacional que passou ao centro do palco com a eleição de Jair Bolsonaro à presidência em 2018. Mistura rara de reportagem de altíssima voltagem com olhar analítico e historiográfico, A república das milícias expõe de forma corajosa e pioneira uma ferida profundamente enraizada na sociedade brasileira”. (Editora Todavia, 304 páginas, R$40) 

5 – Cale-se – Caio Tulio Costa 

Este livro traz uma história quase secreta dos anos de chumbo. Em 1973, Gilberto Gil tinha acabado de voltar do exílio em Londres e fez um show praticamente clandestino na Escola Politécnica da USP para denunciar a prisão de 50 estudantes ocorrida alguns dias antes. A partir de uma fita desta apresentação que foi encontrada trinta anos depois, o autor mergulha no cenário político da época, e resgata com mestria este episódio do movimento estudantil que foi um marco da resistência à ditadura. O livro é baseado em depoimentos de sobreviventes, nos arquivos do DOPS e do Grêmio estudantil da Escola Politécnica da USP. (Editora Girafa, 350 páginas, de R$5 a R$12). 

6 – Por um triz: memórias de um militante da AP – Ricardo Azevedo 

A Ação Popular (AP) foi uma das mais importantes organizações políticas da esquerda brasileira nas décadas de 1960 e 1970. Neste livro, o autor, que foi membro da organização, traz um relato comovente que mescla a própria biografia à do cenário político da época. Segundo ele, o objetivo era “apenas deixar um depoimento de um ativo militante de esquerda”, mas o que conquistou foi um retrato de uma geração que vale ser celebrado pelas novas fileiras militantes. (Editora Plena, 264 páginas, R$60) 

7 – Lula, biografia: volume 1 – Fernando Morais 

Um dos maiores jornalistas do país escreve sobre o maior líder operário da história recente. Trata-se do aguardado primeiro volume da biografia de Lula escrita por Fernando Morais, o autor “Olga”, “A Ilha”, “Os últimos soldados da guerra fria”, e outros sucessos históricos. Vencedor de três prêmios Esso, Fernando tem autoridade o suficiente para colocar nestas páginas a história do ex – e oxalá futuro – presidente do Brasil com paixão, cumplicidade e beleza. É o lançamento que promete abalar a ceia de natal em 2021. (Editora Companhia das Letras, 416 páginas, R$75)

8 – Marighella, o guerrilheiro que incendiou o mundo – Mário Magalhães 

Quem se apaixonou pelo Marighella de Wagner Moura no cinema não pode deixar de ler a biografia que inspirou a obra, escrita por Mário Magalhães. Em ritmo de thriller, o autor reconstitui com realismo desconcertante passagens pela prisão, resistência à tortura, operações de espionagem na Guerra Fria e assaltos da guerrilha a bancos, carros-fortes e trem-pagador. E também recupera a célebre prova de física respondida por Marighella em versos no Ginásio da Bahia e poemas de amor. Declarado “inimigo número 1”da ditadura militar, o militante baiano foi assassinado no dia 4 de novembro de 1969, suas convicções, vida, obra e herança política continuam a inspirar os que lutam por outro mundo, mais justo e soberano. (Editora Companhia das Letras, 784 páginas, R$80) 

9 – O Jardim de Marielle – Marjori Silva 

Para os pequenos, acaba de chegar uma obra sobre a vida da vereadora do PSOL e ativista Marielle Franco. “O Jardim de Marielle” é ilustrado pela jovem Marjori Silva, de 21 anos, que mantém uma biblioteca na comunidade onde vive, em Campinas (SP), com mentoria da Universidade de Harvard. Este que é seu primeiro livro, conta a história de Marielle, uma jardineira que ao cair acidentalmente num buraco, tem o coração transformado em semente, cuja árvore cria raízes mundo a fora. Lançado no dia 9 de dezembro na Bienal do Livro do Rio de Janeiro, pode ser encontrado em livrarias físicas. (Editora Mostarda, preço sob consulta). 

10 – Cem anos de solidão – Gabriel García Márquez 

E por fim, este clássico da literatura latino-americana, o divisor de águas, a história de revoluções, amores e resistência que permeia o continente condenado ao nó da solidão. Neste clássico, Gabriel Garcia Márquez nos encanta com saga dos Buendía em Macondo, e nos ensina sobre a guerra da Colômbia, o caminho para a paz e a possibilidade de uma segunda chance sobre a terra. Cem anos de solidão é uma das obras latino-americanas que merecem sempre ser revisitadas porque desperta nos corações cansados ganas para seguir adiante. Sempre será um bom presente. Há cinco anos, o livro completou meio século e, para comemorar, foram lançadas várias novas edições. As opções cabem em todos os gostos e bolsos, é só escolher. (Edição comemorativa de 50 anos: Editora Record, 432 páginas, R$100) 

E vocês já sabem, mas não custa lembrar: evitem a Amazon! Busquem pequenas livrarias, sebos, livreiros locais. 

Deixe uma resposta